[Exposição] Frida Kahlo – Conexões Entre Mulheres Surrealistas no México

10:00 Adriana Reis Andrade 2 Commentários





Essa linda exposição que estará em cartaz até o dia 10 de janeiro de 2016 no Instituto Tomie Ohtake, traz algumas obras de Frida Khalo e de várias outras artistas mexicanas, ou não, que tem como característica a admiração e inspiração por suas obras ou são classificadas como artistas surrealistas (sendo que as vezes as próprias artistas não se consideram surrealistas, mas...)

Eu particularmente conheci Frida em no 1º Colegial com uma professora muito fofa que nos deu uma verdadeira aula de artes. Ela pediu para que estudássemos a obra de Diego Rivera (marido de Frida) e tínhamos que fazer uma cópia em um papel canson apenas com lápis e entregar (algo assim, isso foi em 2002). Bem, só sei que copiei essa obra:

Nude with Calla Lilies - Diego Rivera


É um nu da Frida! E foi aí que conheci ambos :) 

Essa exposição nos dá oportunidade de conhecer obras de outras artistas maravilhosas, que eu tentei fazer um breve resumo da biografia de cada uma, pois foi algo que eu acho que deveria ter na exposição, mas não tinha, já que Frida era a grande artista da exposição, acabou ofuscando todo mundo. Bem, segue aí um breve resuminho das artistas:

Alice Rahon – Nasceu na França e trabalhou com poesia, viajou o mundo, conheceu Frida, de quem possui grande influência artística. Assim como outros artistas, estabeleceu residência no México devido a 2ª Gerra Mundial.





 


Bona Tibertelli – Nasceu na Itália em 1926 e teve grande influência do seu tio Filippo de Pisis, foi para Paris, casou, visitou o México assim como todas as outras artistas. 

Bridget Tichenor – Artista francesa que passou sua juventude na França onde sua mamis trabalhava como modelo para a Coco Chanel (só a CC...), trabalhou como na revista de moda Vogue mas abandonou tudo para viver no México.








Cordelia Urueta – Nasceu no México em uma família de intelectuais. Viajou para Paris e Nova Iorque e retornou para o México.

Jacqueline Lamba – Nasceu em Paris e assim como todas as artistas da exposição, foram para o México para conhecer melhor esse movimento surrealista. E dizem que Lamba teve um relacionamento com Frida. Lamba possuia Alzheimer. 

Kati Horna – Nasceu em Budapeste na Hungria, ainda jovem conheceu técnicas de fotografia, mas foi no México que ela ficou até sua morte, onde teve importante colaboração no surrealismo mexicano e trabalhou como professora em uma universidade.

Leonora Carrington – Nasceu na Inglaterra, mas viveu muitos anos de sua vida no México, trabalhou como escultora, escritora e pintora surrealista

Lola Álvarez Bravo – Fotógrafa mexicana que foi uma grande influência na revolução pós-renascentista. 

Lucienne Bloch – Nasceu na Suíça e foi muito conhecida pelos seus murais e pelo seu trabalho junto a Diego Rivera (marido e Frida), trabalhou com fotografia, xilogravura, mosaicos dentre outros meios artísticos.

María Izquierdo – Adorei o trabalho da María, muito colorida, cheia de vida e personalidade. Ela nasceu no México e foi a primeira artista mexicana a ter suas obras exposta no exterior (mais precisamente Nova Iorque). Após perder seu pai, foi criada pelos avós, família devota ao catolicismo, eu achei a influência religiosa bem perceptível em suas obras assim como a cultura mexicana.




Olga Costa – Artista alemã que migrou para o México para estudar mas largou os estudos para cuidar da família, mas nesse breve tempo conheceu seu marido. Ambos fizeram parte do cenário cultural e intelectual mexicano.

Remedios Varo – Me encantei pela obra e a vida de Remedios (acho que mais me chamou a atenção foi seu nome, “Remedios”... Farmacêutica...). Remedios morria de medo de envelhecer, pois ela associava velhice com abandono, mas acabou morrendo aos 55 anos (não ficou tão velha, acabou morrendo jovem). Achei ela meio hipocondríaca, mas suas obras são muito belas, ela pode usar apenas um tom de cor que acaba saindo uma obra magnífica. Remedios nasceu na Espanha, mas durante a guerra civil mudou-se oara Paris onde teve grande influência surrealista. Acabou mudando para o México após a ocupação nazista na França.

O rosto do flautista é de madre pérola, e você só tem noção da beleza vendo ao vivo, é encantador <3




Rosa Rolanda – Nasceu na Califórnia, Estados Unidos e após rodar pelo mundo conhecer outras culturas e seu marido, eles mudaram para o México onde ela começou a fazer pintutas de seus amigos.



Sylvia Fein – Desejo de todo o coração o quadro “A Mágica” de Sylvia, que lindo, colorido, cheio de vida e magia <3. Sylvia nasceu nos Estados Unidos e mudou-se para o México em 1943 para recuperar de uma pneumonia (pois na época não havia as drogas que temos hoje), onde criou diversos quadros.


Patinho


Frida Khalo - Acho que muitos conhecem a Frida, seu filme e sua triste história. Quando criança teve poliomielite o que deixou marcas na sua perna direita e atrofiou a musculatura da mesma, sofreu um acidente de ônibus, perfurou vários órgãos e por causa disso, nunca pode ser mãe. A vida de Frida foi sofrida (sacou? parei). Conheceu seu marido Diego Riveras, teve um relacionamento muito conturbado e ambos tiveram muitos casos extraconjugais. Mas apesar de triste as obras da Frida não possuiam muitas cores frias, mas ao contrário, as cores e seu narcisismo infinito sempre me encantaram. Ela foi tão influente que até filme ganhou:












Há dois filmes em exposição também, um sobre Remedios Varo (64 minutos) e outro sobre Frida (A Vida e o Tempo de Frida Kahlo de 90 minutos) 


SERVIÇO:


Exposição: Frida Kahlo – Conexões Entre Mulheres Surrealistas no México
Onde: Instituto Tomie Ohtake
Avenida Faria Lima, 201
Entrada pela Rua Coropés
Telefone: 2245-1900
Próximo ao metrô Faria Lima (Linha 4-Amarela)
Quanto: R$10,00 inteira – R$5,00 meia e 

TERÇAS DE GRAÇA!!!!!!!!!!!!
Data:
27 de Setembro de 2015 a 

16 de Janeiro de 2016.
Horários: Terças a Domingos: 11:00h as 20:00h


2 comentários:

  1. Quero muito ir ver essa exposição, assim que eu tiver tempo estarei la <3
    Beeijos!
    Livros, Amor e Mais

    ResponderExcluir