Convergente

07:30 Érica Guimarães 0 Commentários


Título Original: Allegiant
Autor: Veronica Roth
Tradutor: Lucas Peterson
ISBN: 978-85-7980-186-0
Gênero: Literatura Infantojuvenil
Páginas: 526
Nota: 5/5
Estante: Skoob
Onde comprar: Saraiva / Cultura / Submarino / Amazon

Sinopse: A sociedade baseada em facções, na qual Tris Prior acreditava um dia, desmoronou destruída pela violência e por disputas de poder, marcada pela perda e pela traição. Portanto, diante da chance de explorar o mundo além dos limites que ela conhecia, Tris não hesita. Talvez, assim, ela e Tobias possam ter uma vida simples e nova juntos, livres de mentiras complicadas, lealdades suspeitas e memórias dolorosas.

No entanto, a nova realidade de Tris torna-se ainda mais alarmante do que aquela deixada pra trás. Antigas descobertas rapidamente perdem o sentido. Novas verdades explosivas transformam os corações daqueles que ela ama. Então, mais uma vez, Tris é obrigada a compreender as complexidades da natureza humana – e si mesma –, enquanto convergem sobre ela escolhas impossíveis que exigem coragem, fidelidade, sacrifício e amor.
Comentários:

Bonjour Anges!!

Hoje na nossa “Pilha do Anjo” encerro mais uma trilogia distópica. A série Divergente é uma das minhas preferidas e a tenho mostrado a vocês nas ultimas semanas. O primeiro e o segundo livro devorei tão rápido que a espera pelo desfecho de tudo me deixou muito angustiada, mas com o vazamento do livro, os spoilers que tanto fugi e as criticas negativas eu travei. Mesmo comprando o livro na época do lançamento, mesmo me empolgando com o filme de “Divergente”,  só consegui encará-lo agora, meio relutante. Mas, a experiência valeu muito a pena. Por ser o desfecho de tudo, tentarei soltar a menor quantidade possível de spoilers, pois não soltá-los é praticamente impossível.


Diferente de seus antecessores, “Convergente” é narrado pelos dois protagonistas: Tris e Tobias/Quatro. Essa perspectiva dupla deixa o ritmo já alucinante da história ainda mais acelerado e seus diferentes pontos de vista, nos dão uma maior percepção da situação em que eles estão e como realmente estão se sentindo.

Depois de todo o desenrolar de “Insurgente” a cidade está um caos. As facções caíram por terra e deram lugar a um período de ditadura. E isso provocou a revolta daqueles que queriam que o sistema de facções permanecesse. Assim, um pequeno grupo conseguiu fugir da cidade e descobrir o que há depois da cerca.

E o mundo que descobriram mudou completamente a visão de mundo que eles tinham. Tudo o que acreditavam na verdade era uma grande mentira, uma manipulação do Governo. Eles descobriram, enfim,  que estavam num lugar, um país, chamado Estados Unidos, e que a cidade em que viviam havia um nome: Chicago – essa parte em si explica porque nos livros anteriores não havia menção dessas informações e vi muitas pessoas reclamando que era tudo muito vago e os deixavam perdidos. Hoje, podemos ver que foi intencional da autora nos fazer ficar perdidos e ignorantes, como os habitantes da cidade.

Uma nova forma de guerra pelo poder se forma, novos motivos para levantes contra o governo começam. E nossos protagonistas tem uma nova escolha a fazer. O que é realmente certo e errado nesse novo cenário? O que é injustiça e o que é realmente necessário fazer para se alcançar um ideal.

“Convergente” mostra nas entrelinhas que não importa o que façam, não importa o quanto avancem em seus conhecimentos e na tecnologia, a humanidade como um todo, o ser humano em sua individualidade não é perfeita e por essa razão, não importa como se organizem, nenhuma sociedade alcançará a utopia perfeita, a paz suprema.

A maior lição desse livro, dessa trilogia como um todo, é que uma escolha muda toda uma vida, seja para o bem ou para o mal e, que o caminho escolhido por muitas vezes não há volta e suas consequências, nem sempre são agradáveis.

Muitos não gostaram desse final, mas para mim veio como uma lição valiosa: o perdão é a escolha mais difícil, mas é o que torna o ser humano muito mais forte do que qualquer outra espécie na Terra. Podemos ser pequenos em relação ao tamanho do planeta, mas somos gigantes nos corações daqueles que amamos e nos amam.

Muita ação, muitas manobras politicas, verdades não ditas, mentiras ditas mais ainda. Amizade, culpa, medo, amor... Tudo isso espera o leitor que escolher se aventurar nessa leitura. Nem preciso dizer que mais do que recomendo!


0 comentários: