Pra Gostar de Ler – Histórias de Detetive

08:30 Milena Cherubim 1 Commentários

Título Original: Histórias de Detetive
Autor: vários
Tradutor: vários
ISBN: 978-85-08-08310-7
Gênero: Antologia
Páginas: 142
Editora: Editora Ática
Nota: 4/5
Estante: Skoob
Onde comprar: Saraiva / Cultura / Submarino





Sinopse:Medo, tensão e finais surpreendentes transformam o leitor em refém das histórias de detetive. Neste volume estão reunidas algumas das melhores amostras do gênero, representadas desde Edgar Allan Poe, seu criador, até o brasileiro Marcos Rey, passando por grandes nomes como Conan Doyle e Edgar Wallace. Selecionadas por José Paulo Paes, estas histórias revelam que uma boa trama e o suspense crescente despertam sempre o prazer da leitura. Entre os autores estrangeiros representados neste volume estão nada menos do que Conan Doyle, Edgar Allan Poe e Edgar Wallace. Os nacionais incluídos também se saíram muito bem neste gênero: Medeiros e Albuquerque, Jerônimo Monteiro e Marcos Rey.
As 6 histórias publicadas no livro são: "À beira da morte" (De Arthur Conan Doyle), "Se eu fosse Sherlock Holmes" (De Medeiros e Albuquerque), "Tu é o homem" (de Edgar Allan Poe), "O fantasma da Quinta Avenida" (de Jerônimo Monteiro), "O último cuba-livre" (de Marcos Rey) e "Código 2" (de Edgar Wallace).

Comentários:
Hi Angels! Esse é o primeiro livro que leio pelo TBR Jar! Claro que eu já o li há muito tempo atrás, mas resolvi comprar e lê-lo novamente! Vamos relembrar?


Esse livro comprei na Livraria Cultura em 2011 saindo de um evento e fui fuçar as prateleiras. Me deparei com ele na prateleira juvenil e o livro veio comigo pra casa rsrs. É muito amor!


Quem nunca leu Pra Gostar de Ler? Eu lia muito no colégio e adorava o de crônicas, eu tenho um ainda... já está sem capa #triste eu sei.


Nesse de detetives temos Conan Doyle, Medeiros e Albuquerque, Edgar Allan Poe, Jerônimo Monteiro, Marcos Reis e Edgar Wallace. Primeiro devo dizer alguns contos, principalmente os nacionais, estão escritos com o português antigo. Nada difícil de ler, visto que, esse livro é para criança.
Conan Doyle abre os trabalhos com o nosso mais querido detetive, Sherlock Holmes, e seu fiel escudeiro, Dr. Watson. Quem não gosta dessa dupla? O conto chama-se Sherlock Holmes à beira da morte. Aqui vemos Watson correndo para ver o que aconteceu ao detetive que está acamado há três dias. O que aconteceu com Holmes? Ele fora envenenado... aqui Conan Doyle mostra de forma brilhante como desmascarar o criminoso. Adorei. Separei duas #quotes para mostrar.

“O incrível desleixo de Holmes, seu hábito de tocar música nas horas mais absurdas, o fato de que às vezes treinava tiro dentro de casa, suas experiências cientificas esquisitas, algumas malcheirosas, a atmosfera de violência e perigo a sua volta faziam dele o pior inquilino de Londres.” (pág. 13)

“Foi um grito terrível que ele deu – um berro que dava para se ouvir da rua. Fiquei gelado e senti um arrepio percorrer todo o meu corpo. Ao me virar, vi Holmes com o rosto transtornado, os olhos quase saltando das órbitas. Fiquei paralisado com a caixinha na mão.” (pág. 18)

O que aconteceu nessas duas quotes só lendo para saber. Quando eu estava lendo eu via claramente Robert Downey Jr. e Jude Law no papel de Sherlock e Watson, respectivamente. É muito divertido imaginar as cenas.
O segundo conto é se Medeiros e Albuquerque e se intitula “Se eu fosse Sherlock Holmes”, nele é narrado um furto que aos olhos do amante da polícia científica fica claro quem seja o ladrão. O bacana desse conto é que quem escreveu foi um brasileiro. Que apaixonado por Conan Doyle mostra toda sua versatilidade na escrita.
Olha que bacana isso: “(...) Como olhasse para o teto e para o assoalho, uma das senhoras me perguntou se eu estava jogando ‘carneirinho-carneirão, olhai p’ra o céu, olhai p’ra o chão’.” (pág. 40) Essa é uma passagem divertida desse conto.
O terceiro conto é do mestre Edgar Allan Poe. Em “Tu és o homem” Poe narra como dramas familiares podem resultar em um artifício para a enganação. Aqui um fazendeiro rico, Aparício Penagrande, sempre bondoso com seus vizinhos acabara morto e sumido. Seu mais estimado vizinho e amigo, Carlos Boaventura, faz das tripas coração para achá-lo. Acho engraçado a descrição que Edgar dá aos “Carlos” ele fala “(...) jamais conheci um homem chamado Carlos que não fosse um sujeito franco, viril, honesto, de boa índole e de peito aberto, dono de uma voz clara e sonora, que agrada aos ouvidos, e de um olhar que fita sempre direto nos olhos, como se dissesse: ‘minha consciência está completamente limpa, não temo ninguém, e sou totalmente incapaz de praticar qualquer ação indigna ou mesquinha’.” (pág. 50). Gosto muito dos contos de Poe, ele sempre está presente neles. É muito divertido, de um modo mórbido às vezes. Mas totalmente aceitável.
O próximo conto é de Jerônimo Monteiro e se chama O fantasma da Quinta Avenida. Nele um mistério paira no ar. Uma dama grita de seu quarto e seu noivo ao chegar para socorrê-la, sim naquela época os homens eram perfeitos cavalheiros, ele se depara com uma cena curiosa. Sua noiva caída no chão quase morta e um fantasma perto da janela. O noivo pega sua pistola e atira no fantasma! Aí você se pergunta como assim!!!!!!! Esse conto é relatado em atos. O que fica muito parecido com a literatura de Shakespeare. Ela flui e arranca surpresas e risos.
Marcos Rey mostra como cantores esquecidos quando conseguem dar a volta por cima acabam morrendo. Em “O último cuba-libreAdão Flores é um agente musical e detetive nas horas vagas. Quando está na boate Yes-Club uma mulher já conhecida de eras atrás vem em seu encontro para tentar leva-lo ao seu marido. Julio um argentino estava sofrendo ameaças e sua esposa Estela muito preocupada foi procurar ajuda, mas chegando em casa o pior acontecera. Quem matou o pobre Julio?
E o último conto é de Edgar Wallace. Um conto sobre espionagem chamado “Código 2”, nele um código é inventado para passar mensagens codificadas aos exército e assim proteger seus integrantes. Mas um cara muito astuto consegue se infiltrar e copia esse código colocando em risco a vida de trinta infiltrados. Como acabar com isso?
Esses contos foram publicados em jornais e livros e trazidos para nós aqui no Brasil pela organização de José Paulo Paes. Achei muito bom o que eles fizeram de colocar uma pequena biografia dos autores. Um livro que recomendo para todas as idades para uma leitura agradável de uma tarde de sábado!













Um comentário: