O Inferno de Gabriel

07:30 Érica Guimarães 0 Commentários


Título Original: Gabriel’s Inferno
Autor: Sylvain Reynard
Tradutor: Fabiano Morais
ISBN: 978-85-8041-126-3
Gênero: Ficção Americana
Páginas: 500
Editora: Arqueiro
Nota: 3,5/5
Estante: Skoob
Onde comprar: Saraiva / Cultura / Submarino








Sinopse: A salvação de um homem. O despertar da sexualidade de uma mulher.

Enigmático e sedutor, Gabriel Emerson é um renomado especialista em Dante. Durante o dia assume a fachada de um rigoroso professor universitário, mas à noite se entrega a uma desinibida vida de prazeres sem limites.
O que ninguém sabe é que tanto sua máscara de frieza quanto sua extrema sensualidade na verdade escondem uma alma atormentada pelas feridas do passado. Gabriel se tortura pelos erros que cometeu e acredita que para ele não há mais nenhuma esperança ou chance de se redimir dos pecados.
Julia Mitchell é uma jovem doce e inocente que luta para superar os traumas de uma infância difícil, marcada pela negligencia dos pais. Quando vai fazer mestrado na Universidade de Toronto, ela sabe que reencontrará alguém importante – um homem que viu apenas uma vez, mas que nunca conseguiu esquecer.
Assim que põe os olhos em Julia, Gabriel é tomado por uma estranha sensação de familiaridade, embora não saiba dizer por quê. A inexplicável e profunda conexão que existe entre eles deixa o professor numa situação delicada, que colocará sua carreira em risco e o obrigará a enfrentar os fantasmas dos quais sempre tentou fugir.
Primeiro livro de uma trilogia, O Inferno de Gabriel explora com brilhantismo a sensualidade de uma paixão proibida. É a historia envolvente de dois amantes lutando para superar seus infernos pessoais e enfim viver a redenção que só o verdadeiro amor torna possível.




Comentários:

Bonjour Anges!!

Hoje na nossa “Pilha do Anjo” temos uma leitura em parceria com a Editora Arqueiro. Mais uma trilogia que conquistou muitas leitoras e chamou a atenção, principalmente pra quem tem certa queda pelo romance proibido entre um professor e uma aluna.


Julianne Mitchell, ou simplesmente Julia, é uma garota doce, virginiana típica – super tímida, extremamente esforçada nos estudos e totalmente abnegada com o bem-estar das outras pessoas. Ela teve uma infância extremamente complicada. Filha de pais separados, foi obrigada a crescer sendo totalmente negligenciada, vendo coisas que não eram próprias para que uma criança crescesse convivendo.

Sua mãe era alcoólatra e os namorados que arrumava não eram pessoas que influenciasse positivamente a educação de uma criança. Já seu pai, Tom, é um homem esforçado, trabalhador, mas que não sabe bem equilibrar sua vida, sempre deixando seu trabalho e seu voluntariado como bombeiro em primeiro lugar.

Assim, a natureza já reservada de um virginiano ficou ainda mais acentuada. Julia acabou virando uma adolescente carente por qualquer atenção. E é justamente a família Clark que lhe dá essa atenção. Rachel, a filha mais nova deles, se torna sua melhor amiga e essa amizade é justamente o que modifica todo seu futuro.

Rachel Clark tem dois irmãos mais velhos. Scott, quatro anos mais velho, seu irmão biológico e Gabriel Emerson, seu irmão adotivo, sendo ele dez anos mais velho. Richard e Grace são os pais deles, e diferente dos Mitchell, são pais presentes e amorosos, um casal completamente apaixonado e isso acaba tornando a família Clark uma base de apoio para Julia.

Julia aos 17 anos ainda não conhecia Gabriel, pois ele era a ovelha negra da família Clark. Julia só o conhecia através de fotos e de cara já se apaixona por esse bad boy. E assim, quando finalmente Gabriel vem visitar a família, a jovem é convidada a jantar com eles afim de finalmente conhece-los, mas o que encontra ao chegar na enorme casa não é um clima de amor e sim de destruição. Uma gigantesca briga acaba por afastar ainda mais Gabriel da família.

Sem noção do possível perigo que estaria correndo, ao invés de se afastar, Julia se aproximou do belo homem que acabara de ter um surto violento. E se surpreendeu com o fato dele prestar atenção nela e ser gentil. Isso resultou em uma noite no pomar da casa, cercados por macieiras, deitados em um cobertor velho, olhando as estrelas. Naquele momento, Julia se viu completamente apaixonada pelo primeiro homem que a beijou e segurou em sua mão.

Mas, na manhã seguinte, ao acordar sozinha na clareira, o desespero bateu. A sensação de vazio cresceu absurdamente e Julia viu o pouco de alegria que havia conseguido escapar por seus dedos.

Mas, essa noite transformou toda sua vida. O amor de Gabriel pelas obras de Dante Alighieri a guiou a estudar esse escritor e poeta italiano. E seis anos depois, ao iniciar seu mestrado na Universidade de Toronto, acabou por reencontrar Gabriel.

Mas, esse não foi um reencontro muito feliz, pois além de Gabriel não a reconhecer durante a aula, ainda foi extremamente arrogante, fazendo-a passar vergonha diante de todos os alunos do curso.

E com seu jeito tímido e que inspira o lado protetor das pessoas, Julia acabou atraindo a atenção de Paul, um rapaz que está fazendo doutorado se especializando em Dante e que é assistente de Gabriel e que faz de tudo para cortejá-la ao modo antigo, se contentando em ser um bom melhor amigo antes de se declarar.

Nesse meio tempo, a interação entre Gabriel e Julia aumenta gradativamente, mas ele ainda não a reconhece como a jovem que dividiu uma doce noite e isso acaba com o coração de Julia. E é aqui que a trama se define: será que Gabriel irá enfim reconhecer Julia? E se isso acontecer, será que irá encarar um relacionamento tendo a ameaça de isso acabar com suas carreiras por conta das regras da Universidade que proíbem relacionamentos entre professores e alunos?

Confesso que eu esperava um pouco mais do livro. A narrativa é gostosa, mas a ação é quase inexistente. Gabriel é um homem sensual, com a alma extremamente perturbada, mas quando se mostra apaixonado idealiza tanto que fica muito surreal, perde aquele lado natural que faz com que a conexão com o leitor seja mais próxima.

Julia mostra bem seus traumas e como eles regem sua rotina. Mas, esse lado às vezes irrita um pouco, pois a impede de tentar seguir em frente e atrapalha seus outros relacionamentos

Um dos pontos mais fortes da narrativa é o fato de ser em terceira pessoa e mostrar todos os pensamentos dos personagens, principalmente os da Julia, que sempre está “rezando” para algumas deidades hilárias, como os ‘deuses das estudantes de mestrado virgens” ou coisas do tipo.

O autor (apesar de eu realmente achar que por trás desse pseudônimo há uma mulher) faz várias menções há outros grandes autores, como J. R. Tolkien, C. W. Lewis, Dorothy L. Sayers (AMO os livros dessa mulher) e é claro Dante Alighieri. Aliás, as referencias às obras de Dante e de Santo Thomas Aquino são fabulosas e ricas em detalhes e em explicações, o que já se era de esperar, já que os protagonistas são especialistas nessas obras.

Achei o motivo para a parte dramática do livro muito válida. Realmente os personagens respondem à altura das experiências vividas. Não achei forçado. E gostei por não ter tanta enrolação e esses segredos serem revelados ainda no primeiro livro.

Uma das coisas que me chateou foi a virgindade da protagonista, não pelo fato de ela ainda ser virgem, mas pelo tanto em que isso foi citado e colocado em um altar. Muitos classificam essa trilogia como erótica, e essa castidade toda descaracteriza esse gênero, além de fugir um pouco do padrão atual dos romances adultos.

Mas, em geral, esse romance é um daqueles que alimenta as almas românticas. É bem água com açúcar. Uma história sobre perdão e de amor puro. Com um final extremamente meloso e que não dá um gancho tão firme para que tenha uma continuação.


0 comentários: