Laranja Mecânica

08:30 Adriana Reis Andrade 1 Commentários


Título Original: A Clockwork Orange
Autor: Anthony Burgess
Tradutor: Adriano Fromer Piazzi
ISBN: 978-85-7657-003-5
Gênero: Ficção Inglesa
Páginas: 200
Editora: Aleph
Nota: 5/5
Estante: Skoob
Onde comprar: Saraiva / Cultura / Submarino






Sinopse:Narrada pelo protagonista, o adolescente Alex, esta brilhante e perturbadora história cria uma sociedade futurista em que a violência atinge proporções gigantescas e provoca uma reposta igualmente agressiva de um governo totalitário. A estranha linguagem utilizada por Alex - soberbamente engendrada pelo autor - empresta uma dimensão quase lírica ao texto. Ao lado de "1984", de George Orwell, e "Admirável Mundo Novo", de Aldous Huxley, "Laranja Mecânica" é um dos ícones literários da alienação pós-industrial que caracterizou o século XX. Adaptado com maestria para o cinema em 1972 por Stanley Kubrick, é uma obra marcante: depois da sua leitura, você jamais será o mesmo.

Comentários:

Olá druguis!!!! É com uma enorme radóstia que volto a escrever a vocês sobre esse clássico mundial LARANJA MECÂNICA!
Não entenderam nada? Essa é a intenção! Meu querido mestre Burgess (Guimarães Rosa britânico, rs) quase não termina de escrever esse magnífico livro devido a um câncer cerebral, mas como ele não morreu no tempo previsto pelos médicos, ele foi lá, aprofundou-se, e deixou essa preciosidade para desfrutarmos e nos divertimos.

A linguagem nadsat (drugui=amigo, radóstia=alegria) vem da linguagem russa e possui uma grafia diferente para criar uma linguagem única. Neste livro que tenho vem com o dicionário dessa linguagem, porém, muitos preferem não olha-lo ou compram o livro que não tenha o dicionário para poder viajar na leitura.

Bem, o livro é dividido em três partes, cada uma contendo sete capítulos (total de 21 capítulos que significa a maior idade para Burgess), sim, o livro é repleto de simbolismos. Mas é aí que está a magia e o que faz deste livro um clássico não apenas na minha estante, mas nas estantes mundias.


PARTE 1
“Então, o que é que vai ser, heim?”
       O livro é narrado por Alex, o protagonista da história e conta as aventuras dele e de seus amigos Pete, George e Tosko em uma Londres futurista.
        E nesta primeira parte acompanhamos o uso de drogas (moloko), roubos, estupros coletivos, pais que não enxergam os problemas em que o filho está enfiado... Puro Horrorshow!  Mas toda ação possui uma reação né? Pois bem, Alex acaba sendo preso após latrocínio na casa de uma starre.
“Eu estava condenado.E só tinha 15 anos” (página76).

PARTE 2
“Então, o que é que vai ser, heim?”
       Alex, agora na Prisão Estatal 84F, condenado a 14 anos de prisão, faz “trabalhos internos”, ajuda a tocar as músicas na capela da prisão ajudando chapelão a pregar a Palavra do Senhor, uma maneira de ouvir Beethoven, Bach, Handel dentre outros que Alex AMA.  
“Empilhe os criminosos juntos e veja o que acontece. Você obtém criminalidade concentrada, crime no meio do castigo” (Página 93).
        Siiiiiiim, jovens delinquentes juntos, uns achando que o crime cometido para estarem na prisão é maior e pior que o do outro. E a criminalidade cresce e as cadeias não (familiar né). Porém, o novo Ministro do Interior (o reformador) tem uma maneira de acabar com esse problema. O que para o Diretor da penitenciária era considerado uma ideia ridícula para o novo ministro era a solução da superlotação nos presídios e da ultraviolência.
        Um tratamento com imagens, filmes, músicas e uma injeção (Substância de Ludovico) após as refeições transformariam um ser violento em um ser humano pacífico e pronto a viver em sociedade em apenas 15 dias de tratamento.

PARTE 3
“Então, o que é que vai ser, heim?”
        Alex agora era uma celebridade, o primeiro reformado do Instituto Estatal para Recuperação de Tipos Criminais. Na verdade Alex foi a primeira cobaia desse tratamento que tem a intenção de transformar a “essência” do indivíduo. Transformar um ser violento em um ser pacífico. Porém, esse tratamento possui efeitos colaterais, ao ouvir a música ou presenciar ou pensar em qualquer tipo de violência a cobaia sentiria fortes enjoos.

GERAL
    Vontade de contar detalhadamente cada parte não falta, mas seria um spoiler gigantesco.
       Em geral, o que se lê neste livro nem imagina que ele foi escrito em 1962! Violência descontrolada, prisões lotadas... Tudo isso é muito atual é o que vemos e vivemos!!!
       Mas seria uma saída tratamentos como este? Seria possível mudar a essência de um ser?
O que sei é que Burgess é um gênio por criar uma Londres que pode ser comparada a qualquer cidade violenta que temos conhecimento. Em ter criado uma alternativa surrealista para toda essa ultraviolência e descontrole juvenil. E por ser tão atual, esse livro merecia ser leitura obrigatória no ensino médio.

FILME
       Aah, o filme, este foi baseado na versão americana do livro em que o último capítulo foi RETIRADO por “razões conceituais” (absurdo); mesmo assim dirigido brilhantemente por Stanley Kubrick fazendo uma reviravolta em vários lugares, fazendo com que o filme fosse proibido de ser exibido, e as fitas piratas fossem se popularizando e aumentando a popularidade deste.
       Percebe-se que o Alex do livro é muito mais perverso que o do filme e os temas são mais aprofundados, a violência é crua e que diferente do livro, os trajes da moda não mudam (rs).
       Bem, tanto o filme quanto o livro valem a pena. Ele acrescenta, informa e nos faz pensar qual a saída para a violência em que vivemos. Um governo capitalista e totalitário? Tratamentos invasivos e que transformem um ser cruel em um ser bom através da dor? Fazer as pessoas acreditarem que sua casa é o lugar mais seguro a noite em que as ruas de sua cidade oferecendo “circo” televisivo para que as pessoas esqueçam os problemas e violência do portão pra fora de suas casas? Digerir um problema e regurgitar para a massa a “solução” para que elas acreditem que o que a “TV” diz é a verdadeira solução? Isso não infligiria os direitos humanos?  O direito de pensar?

Viajando...

Obrigada Burges :)




TRAILER DE LARANJA MECÂNICA:





Um comentário: