Supernova - O Encantador de Flechas

08:30 Érica Guimarães 1 Commentários


Autor: Renan Carvalho
ISBN: 978-85-7679-902-3
Gênero: Ficção Brasileira
Páginas: 358
Nota: 5/5
Estante: Skoob
Onde comprar: Saraiva / Cultura / Submarino

Sinopse: Imersa em uma ditadura ideológica, a isolada cidade de Acigam sofre com a ameaça da guerra civil. De um lado, a Guilda, um grupo que usa os ensinamentos da Ciência das Energias para exigir os direitos da população. Do outro, um governo tirano, com soldados especialistas em aniquilar magos, nome vulgar dado aos praticantes de tal ciência.

No meio desse conflito vive Leran, um garoto prestes a se formar na escola e não sabe qual futuro pode ter em uma cidade como Acigam. Após o envolvimento dos membros de sua família na rebelião, ele percebe que também está fadado a participar da guerra e vive uma aventura alucinante para descobrir mais sobre a misteriosa ciência que permite encantar objetos com a energia dos elementos. Leran deverá conciliar suas preocupações com a irmã mais nova, a recente vida amorosa e o medo de ser capturado pelos terríveis silenciadores.
Usando uma narrativa dinâmica e envolvente, Supernova promete entreter o leitor com muita ação, suspense e reviravoltas incríveis.

Comentários:

Bonjour Anges!

Hoje nossa “Pilha do Anjo” é nacional. Mas, não um nacional comum, mas sim uma distopia. Isso mesmo!! Com o estouro desse gênero é bom saber que temos algo nosso, rivalizando à altura das criações estrangeiras.


Supernova tem seu mundo próprio. Um lugar onde as energias podem ser controladas e usadas para encantar objetos e tornar a sincronia entre a humanidade e as energias em algo de grande sabedoria, tecnologia, sempre em crescente evolução.

Mas, em Acigam não funciona assim. Tendo um ensino mutilado pelo governo, e seus portões sempre fechados para que não haja influencia externa, a população teme o que em outros lugares é algo normal. E esse temor é injusto, pois é justamente aqueles que são dotados de conhecimento sobre a ciência das energias que defendem o povo dessa ditatura.

Leran é um jovem prestes a se formar no colégio, ótimo arqueiro (sim, ARQUEIRO!!! Isso me deixou mais que interessada em ler o livro. AMO arqueiros!!), mas sem muitas opções para crescer em sua cidade, afinal ou ele trabalharia na loja de seu avô ou se tornaria alguém do exercito de Acigam. Impossibilitado de conhecer o mundo do lado de fora dos portões da cidade, Leran se agarra às aulas secretas que tem com seu avô, sobre a verdadeira ciência.

Em uma reviravolta muito louca, Leran que nunca pensou em entrar em uma rebelião contra o governo se vê bem no meio dela, tentando a todo custo proteger sua família. E justamente nesse momento tenso é que ele se apaixona.

Você deve estar pensando que estou sendo muito vaga nas descrições da história, e tem toda a razão. Esse é mais um daqueles livros em que não se deve dar spoilers. Apesar de não ser um livro completamente imprevisível, tem coisas que a emoção de descobrir na hora certa deixa ainda mais eletrizante.

A mistura de fantasia como o mundo caótico ficou muito bem equilibrado. As cenas de ação são ótimas e literalmente tiram o folego. Me peguei arfando em alguns momentos como se eu estivesse correndo pela minha vida junto com os personagens.

E falando em personagens, Renan Carvalho conseguiu criar seres com personalidades únicas em que a identificação com o leitor é imediata. Destaque especial para Judra, minha favorita no livro, que é um complexo incrível de se desvendar.

Boom é outra personagem que adoro. Dona de uma língua afiada e um temperamento explosivo. As brigas dela com Leran são hilárias. Esses dois se estranham o tempo todo.

Gostei muito da forma como o autor trabalhou sua critica politica, mostrando a ditadura e a censura da liberdade de expressão, a forma como o governo manipula a educação pra criar um povo mais fácil de ludibriar e sem poder de retaliação, tudo para manter o poder que sobe à cabeça e envenena a alma.

A sacada do titulo com o que vai acontecendo no decorrer da historia me deixou embasbacada. Adorei de verdade como o autor foi ligando uma coisa na outra e o símbolo que aparece, foi realmente muito bem planejado!

Uma coisa que preciso falar é sobre a escrita do livro. Apesar de ele ser em primeira pessoa, como aparentemente é moda, ele não é escrito no passado e sim no presente. Ou seja, dá aquela impressão de ser um diário, em que o personagem narra o que está fazendo naquele momento. Achei isso uma brisa fresca, depois de toda a enxurrada de livros em primeira pessoa.

Supernova tem um final daqueles de xingar o autor e desejar ter logo a continuação. Uma aventura cheia de conspirações, romance, amizade e muita magia. Super recomendo essa viagem à Acigam!


Um comentário:

  1. Adorei a resenha. Fico feliz que tenham gostado e espero que os leitores do blog também gostem. Grande beijo

    ResponderExcluir