O Filho de Netuno

08:30 Milena Cherubim 2 Commentários


Título Original: The Sono f Neptune
Autor: Rick Riordan
Tradutor: Raquel Zampil
ISBN: 978-85-8057-180-6
Gênero: Mitologia Grega - Ficção norte americana infantojuvenil
Páginas: 432
Editora: Intrínseca
Nota: 4/5
Estante: Skoob
Onde comprar: Saraiva / Cultura / Submarino



Sinopse:A vida de Percy Jackson é assim mesmo: uma grande bagunça de deuses e monstros que, na maioria das vezes, acaba em problemas. Filho de Poseidon, o deus do mar, um belo dia ele acorda de um longo sono e não sabe muito mais do que o seu próprio nome. Mesmo quando a loba Lupa lhe conta que ele é um semideus e o treina para lutar usando a caneta/espada que carrega no bolso, sua mente continua nebulosa. De alguma forma, Percy consegue chegar a um acampamento de semideuses, mas o lugar não o ajuda a recobrar qualquer lembrança. A única coisa que consegue recordar é outro nome: Annabeth.Com seus novos amigos, Hazel e Frank, Percy descobre que o deus da morte, Tânatos, está aprisionado e que Gaia pretende reunir um exército de gigantes para dominar o mundo e reescrever as regras da vida e da morte. Juntos, os três embarcam em uma missão aparentemente impossível rumo ao Alasca, uma terra além do controle dos deuses, para cumprir seus papéis na misteriosa Profecia dos Sete. Se falharem, as consequências, é claro, serão desastrosas.

Comentários:

Tio Rick me fazendo chorar as 4 da manhã. Terminei esse livro com um pensamento muito peculiar. Como ele consegue me deixar em um turbilhão de emoções? Eu sorri, eu xinguei, eu me irritei, eu gargalhei com as provocações de Percy e claro, chorei. Nas últimas 20 páginas decorre a batalha esperada e nela, senhor... eu me vi dentro. Fui transportada para o acampamento Júpiter.
Para quem não se lembra, em “O Herói Perdido”, Percy desaparece e nós conhecemos Jason. Um olimpiano romano e não grego. E com ele Piper e Léo. Foi divertido, mas ver Annabeth correndo atrás do seu amor, não foi legal...
Agora nesse segundo vemos o que aconteceu com Percy e conhecemos Frank e Hazel. São personagens carismáticos, Riodan tende a fazer isso com seus leitores. E mais uma vez me vi no mundo fantástico de Percy Jackson. Devo dizer a verdade sempre. Há tempos não sou transportada a história do livro.
Não conheço muito bem os deuses romanos, mas isso não influenciou a leitura. Tio Rick nos brinda com aula e ficção na obra e com isso além de distração aprendemos. Sempre aprendemos alguma coisa com os livros que lemos. Mas nessas coleções dele me vejo dentro da minha aula de história com o professor Moska. Não era esse o nome dele, não lembro mais porque sempre chamávamos ele pelo apelido, ele era literalmente uma mosquinha hihi. Aprendi bastante com ele. E reviver esses períodos me traz boas recordações.
Separei alguns trechos que achei bem legal para compartilhar.

Comparado ao barraco de Netuno, o tempo de Júpiter era, definitivamente, optimus e maximus. (pág. 50) – Percy descrevendo o local que era destinado a Netuno e que os romanos não faziam nenhuma questão de pedir e oferecer nada a ele.

– Havia um rio, e um homem pedindo...uma moeda? Eu me virei e vi que a porta da saída estava aberta. Então simplesmente... saí. Não entendo. O que aconteceu? (pág. 123) – Gwen voltando dos mortos e dando uma explicação super simples “ah! Eu nem queria ficar ali mesmo... saí e ninguém me impediu” ri bastante.  

Percy dormiu como uma vítima da Medusa: ou seja, como uma pedra. (pág. 131) – nem preciso comentar né? Isso foi uma jogada que o autor deu e transformou uma cena corriqueira, o ato de dormir, em algo que remetesse a primeira missão de Percy em pegar as esferas para ir ao Mundo Inferior salvar sua mãe e a primeira parada foi no covil da Medusa e o herói decapitou seu inimigo.

Não tenho palavras para definir minha gratidão ao Rick Riordan. Ele conseguiu fazer com que muitos jovens pegassem o livro novamente e aprendessem de uma forma nada convencional sobre a história antiga. Claro que você não levará ao pé da letra tudo o que está no livro. Mas muito do enredo é verídico e lhe passa credibilidade. Agora fica faltando o último livro “Marca de Atena” e a continuação das Crônicas dos Kane porque ficou em aberto uma passagem que Carter fala que tem que auxiliar um grego. Não sei se ele aparecerá nesse último ou se haverá mais um dos Kane. Mas por mim ele nunca pararia de escrever sobre Egito, Grécia e Roma.
Ah! Só para lembrar esse livro está no Desafio TAG 12 livros da Cláudia!






2 comentários:

  1. Ei Mi

    Eu adoro este livro!!
    O 3 não me emocionou tanto, este é meu preferido da série até agora. Percy é comédia demais, e adorei o pessoal novo.
    Realmente, PJ supriu um pedacinho do meu coração partido sem HP rsrs, e fez muitos jovens começaram a ler, a outra banda que não fez isso por causa de Crepúsculo hehe
    bjs

    ResponderExcluir
  2. Nanda ainda não li... quero ler logo para saber o que vai acontecer rsrs Beijinhos

    ResponderExcluir