E Se Fosse Verdade...

09:30 Mayara 1 Commentários

Título original: Et si c'etait vrai...
Autor: Marc Levy
Tradutor: Jorge Bastos
ISBN: 978-85-8105-135-2
Gênero: Ficção - Romance
Páginas: 232
Editora: Suma de Letras
Estante: Skoob
Onde comprar: Saraiva / Cultura / Submarino








Sinopse: Lauren é uma jovem médica com muito potencial. Porém, sua carreira promissora é interrompida quando ela é vítima de um grave acidente de carro e fica em estado de coma. Todos acreditam que Lauren sofreu morte cerebral, mas ela, de alguma forma, consegue ser vista por Arthur, o novo inquilino de seu apartamento.Arthur leva algum tempo para acreditar na história da invasora, mas logo os sentimentos dos dois se tornam algo mais. Porém, os médicos e a família de Lauren concluem que ela não se recuperará e decidem que a eutanásia será feita. Agora, o casal terá que lutar para salvar o corpo de Lauren e descobrir alguma forma de reuni-lo com sua consciência.

Este é mais um livro em parceria com a editora Suma de Letras e mais uma vez não me arrependo de escolhê-lo para ler. Marc Levy sempre me atraiu muito e tive a oportunidade de ler seu primeiro romance nesse momento e confesso que pretendo ler outros.


"E Se Fosse Verdade..." é uma história para se ler sem compromisso, mas para se carregar pelo resto da vida. A narrativa é claramente principiante - ou talvez seja a tradução, quem sabe -, carrega aquele peso da falta de detalhes em algumas cenas e muitos detalhes em outras, com diálogos que se iniciam pelo travessão e terminam na narrativa em terceira pessoa. No começo da leitura me perdia um pouco por causa desses aspectos, mas no decorrer dela me adaptei e consegui entrar de cabeça na história.

É meio impossível existir alguém que não tenha assistido esse filme ou pelo menos trechos dele, pois sempre passava na Sessão da Tarde. Eu sou uma das pessoas que assistiu apenas trechos e não sabia o final, e a leitura do livro valeu muito a pena para descobri-lo - apesar de não saber se é igual ao filme.

Lauren é uma garota turrona, cheia de opiniões fortes, porém muito entusiasmada após 6 meses sem conversar com ninguém. Arthur é um personagem que me deixou confusa, no início parecendo muito centrado e racional, e no decorrer da leitura descobrimos que ele é muito sonhador e que é isso que o faz cair de cabeça na história maluca de Lauren.

O romance dos dois se desenvolve aos poucos e isso me deixou muito satisfeita, pois gosto de saborear essa brincadeira toda que gira em torno do início dos relacionamentos nos livros. E a narrativa em terceira pessoa nos dá a oportunidade de sentir o que os personagens sentem, sem ter de ficar adivinhando o que os personagens secundários estão pensando ou sentindo.

Tenho que admitir que as melhores partes do livro foram as páginas que falam sobre a mãe de Arthur. Uma mulher doce, forte e sonhadora, muito serena e sábia, que ensinou muitas coisas a ele. É impossível não carregar uma mensagem positiva desse livro após toda a serenidade que a mãe de Arthur passou a ele. Foi difícil até mesmo selecionar um trecho para colocar aqui, mas espero que o trecho abaixo deixe bem claro o que quero dizer.

"- Às vezes nada podemos diante dos nossos desejos, vontades e ímpetos. Isso pode provocar aflições insuportáveis e é uma sensação que vai acompanhá-lo a vida toda, ocasionalmente parecendo ser esquecida, mas outras vezes se mostrando obsessiva. Parte da arte de viver depende da nossa possibilidade de combater essa incapacidade. É difícil, porque ela frequentemente gera medo. Abala nossas reações, nossa inteligência, nosso bom senso, abrindo a porta para a fraqueza. Você vai passar por muitos medos. Lute contra eles, sem substituí-los por hesitações que se prolongam. Pense, decida e aja! Não tenha dúvidas, a incapacidade de assumir as próprias escolhas cria muitas dificuldades na vida. Cada questão pode se tornar um jogo, cada decisão tomada pode levar ao autoconhecimento e à autocompreensão." (pág. 139/140)

A história é muito rápida, mas cheia de pequenos pontos de reflexão e de provas que o amor existe entre esse casal. O desenvolvimento da leitura é rápido, fácil e flui muito bem, apesar desse meu cricri com a narrativa, pois o livro é cativante e é impossível não se apaixonar. Senti falta quando o fechei e ainda quero assistir o filme para matar as saudades. Recomendo que leia e que sinta saudades junto comigo.



Um comentário:

  1. Oi, Mayara.
    Ainda não li nenhum livro desse autor, mas vou anotar a dica!!
    Beijos
    Camis - Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir