Cândido ou o Otimismo

10:35 Milena Cherubim 0 Commentários

        Obra do filosofo Voltaire. Seu nome era François-Marie Arouet nasceu em 1694, escreveu Cândido ou o Otimismo em 1761. Como não se decidiu qual nome dar ao livro, decidiu colocar os dois.
        Bom, já de cara digo que li esse livro somente porque minha prima Priscila literalmente mandou eu ler. “Ou você lê ou não te empresto mais nenhum...” ok, depois dessa o que eu poderia fazer? Ler o livro é óbvio.
        O livro o faz pensar e isso é bom. Mas não gostei do ritmo, é lento e desagradável em alguns pontos. Cândido foi educado no castelo do barão Thunder-tentronckh, na Westphalia. O barão tinha uma filha, uma bela filha cujo nome não é nem um pouco bonito Cunegunda, era seu nome. Nesse castelo existia um preceptor, um oráculo, seu nome: Pangloss, ensinava a metafísico-teólogo-cosmolonigologia. Para Pangloss esse era o melhor dos mundos possíveis.
        Mas vocês acham que o barão iria dar a sua filha a um qualquer? Não. Cândido não era da nobreza, não tinha mais de setenta e dois costados. Explico, explico. Costados eram quantos em números uma pessoa era da realeza. E Cândido não tinha nenhum. Mas amava muito Cunegunda e ela a ele.
        Cândido foi chutado literalmente do castelo pelo barão. Teve que servir ao exército do país para poder comer, se vestir e poder simplesmente viver. Viver! Isso era difícil porque Cunegunda não estava ao seu lado.
        Más noticias chegaram a Cândido. Cunegunda havia morrido, na verdade toda a família do barão. Mas como Cândido havia aprendido com Pangloss, esse era o melhor dos mundos possíveis. Será?
        Cândido foi preso, torturado, quase morto, mas teve suas alegrias. Primeiro descobriu Eldorado. Sim a cidade perdida de Eldorado, onde existe ouro e muitas riquezas. Segundo descobriu que sua amada  Cunegunda estava viva. Terceiro seu mestre Pangloss também sobreviveu.
        Mas para que Cândido chegasse ao seu melhor mundo possível, o coitado passou por vários apertos. Para saber quais, leia Cândido ou o Otimismo.

Nota da Milena: Esse é um livro que só uma vez é necessária a leitura. Não digo que não lerei novamente, quem sabe daqui a 100 anos? rsrs Então, Voltaire é muito bom, especialmente para te fazer imaginar como seria a cena que se passa na história.

Serviço:
Editora: Martin Claret
Autor: VOLTAIRE
ISBN: 8572324151
Número de páginas: 128
Formato: Bolso

0 comentários: