[Evento] Quem mexeu na minha mudança?



Pessoal de Campinas e região que está com vontade de fazer algo diferente que tal ir no segundo encontro do Café Terapêutico? Para quem não conhece o Café Terapêutico é um produto do Programa Alimente-se.

O Alimente-se surgiu em 2015 à partir do desejo de responder à busca de muitos clientes por uma transformação em suas vidas através da relação delas com o próprio corpo, com a alimentação e com as emoções.

O encontro que tem por objetivo oferecer um espaço de troca mensal, onde as pessoas possam compartilhar suas experiências. Este programa teve inicio dia 04 de março, reunindo mais de vinte mulheres e dois homens animadíssimos, que puderam aprender e ensinar ao mesmo tempo, durante pouco mais de duas horas de bate papo. 

As profissionais Sheila Molchansky, psicóloga, Maria Antônia Palumbo, educadora física, e Fernanda Giacomo, nutricionista, provocaram os instintos dos convidados em uma dinâmica inteligente, promovendo a reflexão: Mudar pra quê?

O próximo encontro acontecerá no dia 01 de abril , no Ecomercado Avis Raras, um espaço lindo que favorecerá momentos saudáveis pela sua localização e proposta de alimentação orgânica de qualidade.

O assunto? “Quem mexeu na minha mudança” – uma proposta que vai remexer ainda mais com seu projeto de vida.

Pra quem não foi no primeiro? Não se preocupe, você vai entrar no clima!

Inscrições pelo telefone (19) 3384.7967 ou email contato@alimentese.blog.br

[Filme] A Grande Muralha




Oiê!

Quem faz baldeação na linha amarela do metrô de sampa para a linha verde deve ter reparado na gigantesca propaganda que eles colocaram lá sobre o filme!

Eu fiquei brincando que eram os Power Rangers com o Matt Damon rs.

É uma super produção (a mais cara até hoje filmada todinha na China), as roupas são lindas e os efeitos maravilhosos, mas é um filme bem pipoca de sessão da tarde :)

A primeira vez que mostram toda a muralha e os guerreiros você se impressiona.


O filme já começa com uma perseguição nas áreas mais remotas da China, Willian Garin (Matt Damon) e Pero Tovar (Pedro Pascal, o Oberyn Martell de Game of Thrones - eu gostava tanto dele...), os dois mercenários junto há mais alguns homens estão em busca de uma "lenda", o pó negro (pólvora), eles escapam de um grupo que estavam perseguindo eles, mas nem todos do grupo escapam de uma misteriosa criatura que matou quase todos os homens exceto Willian e Tovar (fiquei tão feliz por ele não ter morrido...).

Pero Tovar (Pedro Pascal)


Ainda em busca do tal pó negro os dois acabam chegando aos pés da grande muralha, onde são feitos prisioneiros pelos guerreiros chineses.

Uma coisa que você repara são as cores das armaduras, cada cor representa uma função, os homens de vermelho são os arqueiros, as azuis são as mulheres que fazem coisas absurdamente fodas... e assim cada cor faz uma coisa.

go go power rangers, rs


Enquanto os nossos dois mercenários estão acorrentados, uma coisa estranha começa a acontecer, um ataque dos monstros lagartos feios que vem em bando atrás de comidaaa!!!!!

oh bichinho lindo #sqn


Para salvar a pele os nossos dois amigos entram no meio da batalha e mostram o quanto são bons!

No meio da batalha os dois vem um ocidental, que mais tarde descobrem ser Ballard (Willem Dafoe), que foi parar na muralha atrás do tal pó negro também, mas acabou virando um prisioneiro dela.

Cara de safado...


Mas por que todo mundo que vai até ela não sai mais?

Por causa disso:
"Me alimentem filhos!" Olha a monstra mãe lá no meio sendo alimentada.

A lenda diz que a cada 60 anos os tais monstros, lagartos feios, tentam ultrapassar a barreira (a grande muralha) para se alimentar dos humanos que vivem do outro lado, assim eles alimentam a rainha e dominariam o nosso mundo, nos lembrando o quão arrogantes,gananciosos, mesquinhos e fdps que somos.

Confiança Willian
Já que os dois não poderiam sair de lá, nada mais justo que "fazer parte do grupo".Willian começa a se aproximar mais da líder das mulheres Lin Mei (Jing Tian), enquanto planeja junto a Tovar e Ballard uma forma de roubar a pólvora e ficarem muito ricos.

A corajosa guerreira líder das mulheres Lin Mei (Jing Tian)
Mas, será que mesmo com os monstros atacando incessantemente eles não aprenderam nada sobre o castigo que recebemos a cada 60 anos? Afinal, os monstros aparecem para nos lembram de nossa arrogância, maldade e tudo de mau que somos capazes de fazer.


O filme tem excelentes efeitos especiais e as cenas de luta são muito boas! É legal assistir essa grande produção em tela grande, pois vale a pena pelos efeitos que são tão grandiosos como a muralha




Serviço:

Título Brasil: A Grande Muralha
Título Original: The Great Wall
Duração: 1h 44min
Ano: 2017
Direção: Yimou Zhang
Elenco: Matt Damon, Pedro Pascal, Willen Dafoe, Jing Tian...
Gênero: Aventura, Fantasia
Nota: 5/5








Fabien Toulmé – Não era você que eu esperava


Hi Angels!

Eu recebi da Editora Nemo esse livro para uma ação sobre a Síndrome de Down. Eu não tenho uma relação íntima com essa mutação genética. E também nunca me preocupei se a Joyce nasceria ou não uma criança especial, hoje eu já me questiono se meu próximo filho (se eu tiver) será ou não uma criança especial. Para quem não conhece minha história, vou contar um pouco aqui.

Bem, eu fui um feto rejeitado pelo pai. Minha mãe, foi mãe solteira nos anos 1980. Então imagina como foi, decepção, desonra para a família e a eterna rejeição. Ou não tão eterna assim. Meus avós não falaram com minha mãe até o momento em que nasci. Ok, falavam. Mas o estritamente necessário. Porém, quando eu nasci... eu fui o raio de sol na família. Parece piegas, mas foi exatamente assim.

Quando nasci o obstetra que era um excelente médico, só que não, puxou minhas perninhas e por conta disso, deslocaram os dois fêmures. Dr. Amilcar Yaszibek (não lembro qual a grafia do nome) ele era mestre em fazer isso. Eram clavículas e fêmures, então imagina o cuidado que a família teve comigo? Foram meses, anos de cuidados. Desde fraldão, gesso, aparelho e botinas até que eu ficasse bem. Além disso eu tinha bronquite, então imagina hehe

Minha mãe trabalhava, minha avó cuidava de mim. Vovô faleceu quando eu tinha 5 anos, por isso ficamos somente vovó Naza, minha mãe e eu. Claro que meus tios e primos sempre vinham em casa. Quando completei 13 anos minha avó foi se juntar com vovô. E é a partir deste momento que eu decido que eu teria minha família, ok não foi aos 13, mas quando eu comecei a namorar. Pois quem estava cuidando da casa era eu. Minha mãe trabalhava eu estudava e cozinhava, limpava, lavava e aos 14 anos comecei a trabalhar. Jornada tripla.

Aos 14 conheci o pai da minha filha e conversando com ele pensávamos da mesma forma. Queríamos formar nossa família. Aos 15 eu engravidei. Em nenhum momento eu pensei que a Joyce não seria “normal”, contudo após o nascimento dela e quando eu estava em outro relacionamento e tive uma suspeita de gravidez eu fiquei com medo. Por quê? Simples. Eu não sabia nada a respeito das crianças especiais. O medo é um problema muito sério.

Eu trabalhava no Delboni Auriemo na parte da coleta e meus colegas sempre pediram para eu entrar na sala quando tinha criança. Como eu sempre gostei dos pequenos eu ia tranquilamente até o dia que me deparei com uma criança especial. Um menininho lindo. Ele não deu um pio. Deixara o Carlos tirar seu sangue e ainda me olhava com gratidão. Claro que eu chorei e muito. Depois disso, fui pesquisar e entender um pouco melhor sobre essa modificação genética.

E por qual motivo eu tive medo em ter um filho especial? Se com uma criança normal eu não tinha tempo, dinheiro e saúde para cuidar dela imagina uma criança que precisa de cuidados constantes? Que precisa ir ao médico para exercícios, verificação da saúde e que precisa de DOIS pais? Sim, eu e o pai da Joyce nos separamos quando ela tinha 2 anos, imagina eu ter que cuidar de uma criança especial sozinha e ainda ter que trabalhar, estudar (porque eu ainda estudava), cuidar da casa e da minha outra filha? Complicado. Mas nossos personagens, Fabien e Patrícia, estavam juntos. Eles e a pequena Louise sua primogênita estavam mais que agitados com a ideia de ter mais um bebê na casa.

Fabien é francês e conheceu Patrícia aqui no Brasil. Louise nasceu em João Pessoa. Mas Fabien não é de parar quieto e adora viajar. Ele não se preocupa muito com sua carreira. Ele se preocupa em estar em movimento, em estar viajando. Porém com a criança a caminho não seria muito propício ficar em movimento.

Fabien sempre teve medo de seus filhos nascerem com o Trissomia 21 o gene que diz quando a criança possui a Síndrome de Down. Em todos os exames, NENHUM, deu o menor sinal dessa anomalia. Então ele relaxou. Contudo o destino nos prega muitas peças não é mesmo? Julia, sua Julia, nasceu com a síndrome e o pai nem conseguia olhar para sua bebê.

Você vai lendo a história da família e pensa “será que eu agiria assim?”, eu realmente não sei a resposta. Assim como Fabien eu tenho muito medo de ter uma criança especial. Não por não amar o meu bebê e sim por não estar presente quando ele precisar. Mas como diz uma passagem desse livro e a doutrina espírita que faço parte, a criança escolhe você. E se ela te escolhe é porque você consegue dar conta, você precisa passar por isso e você vai ter uma criança linda ao seu lado e não importa o que os outros dizem. Ainda existe muito preconceito no mundo.

Entrei no site Movimento Down para colocar algumas informações para vocês!

O que é a Síndrome de Down?


A síndrome de Down é causada pela presença de três cromossomos 21 em todas ou na maior parte das células de um indivíduo. Isso ocorre na hora da concepção de uma criança. As pessoas com síndrome de Down, ou trissomia do cromossomo 21, têm 47 cromossomos em suas células em vez de 46, como a maior parte da população.

As crianças, os jovens e os adultos com síndrome de Down podem ter algumas características semelhantes e estarem sujeitos a uma maior incidência de doenças, mas apresentam personalidades e características diferentes e únicas.

É importante esclarecer que o comportamento dos pais não causa a síndrome de Down. Não há nada que eles poderiam ter feito de diferente para evitá-la. Não é culpa de ninguém. Além disso, a síndrome de Down não é uma doença, mas uma condição da pessoa associada a algumas questões para as quais os pais devem estar atentos desde o nascimento da criança.

As pessoas com síndrome de Down têm muito mais em comum com o resto da população do que diferenças. Se você é pai ou mãe de uma pessoa com síndrome de Down, o mais importante é descobrir que seu filho pode alcançar um bom desenvolvimento de suas capacidades pessoais e avançará com crescentes níveis de realização e autonomia. Ele é capaz de sentir, amar, aprender, se divertir e trabalhar. Poderá ler e escrever deverá ir à escola como qualquer outra criança e levar uma vida autônoma. Em resumo, ele poderá ocupar um lugar próprio e digno na sociedade.

Mitos sobre a Síndrome de Down


Síndrome de Down é doença?
A Síndrome de Down não é uma doença e não deve ser tratada como tal. É preciso olhar para as pessoas além da Síndrome de Down, pois as características individuais são inerentes a todos os seres humanos.

Síndrome de Down tem cura?
A Síndrome de Down não é uma lesão ou doença crônica que através de intervenção cirúrgica, tratamento ou qualquer outro procedimento pode se modificar.

Pessoas com Síndrome de Down são agressivos?
Não podemos generalizar as pessoas com Síndrome de Down, determinando certos comportamentos, pois essa afirmação pressupõe preconceito. Cada indivíduo tem suas características de acordo com sua família e ambiente em que vive.

Pessoas com Síndrome de Down são carinhosas?
Grande parte da população acredita que todas as pessoas com Síndrome de Down são carinhosas. Isto se deve ao fato de associá-las às crianças, infantilizando-as e as mantendo em uma “eterna infância”.

Pessoas com Síndrome de Down têm a sexualidade mais aflorada?
A sexualidade das pessoas com Síndrome de Down é igual à de todas as outras. Este mito se deve ao fato de que grande parte da população não considera sua sexualidade; desta forma acabam sendo reprimidos e não recebem orientação sexual apropriada, ocasionando comportamentos inadequados.

Pessoas com Síndrome de Down devem frequentar escola especial?
As pessoas com Síndrome de Down têm o direito de participação plena na sociedade como qualquer outra criança,desta forma devem estar incluídas na rede regular de ensino.

Existe uma idade adequada para uma criança com Síndrome de Down entrar na escola?
A criança deve entrar na escola quando for conveniente para ela e para sua família.

Só podemos nos comunicar através da fala?
A comunicação acontece de várias formas como gestos, expressões corporais e faciais, choro, fala e escrita. Para haver comunicação é necessário estar numa relação onde seu desejo é reconhecido e respeitado.


Ser uma criança com Síndrome de Down não é o fim do mundo. A criança consegue fazer as coisas. Ela só precisa um pouco mais de tempo para aprender. Olha esse vídeo:



Hoje o canal A&E possui um programa chamado “Minha vida com Síndrome de Down” e se você pensa que eles são calminhos e fazem tudo de forma dependente você está muito enganado. Eu assisti dois episódios e me diverti muito. Não sou de assistir a reality shows, mas achei muito bom um canal fazer um programa com as minorias. Sim, pessoas com Down fazem tudo o que eu faço, o que você faz só que no tempo delas.



Não é fácil criar uma criança com Down, mas acredito que nada nesse mundo seja fácil rs Como Fabien percebeu na carne. O que eu gostei nessa HQ foi que por mais que fosse vergonhoso ele admitir, rejeitava a filha no início, ele coloca aqui, todos os sentimentos que ele tem, desde o descobrimento até os momentos que ele está vivendo. 

Ele descreve seus pensamentos mais sombrios. Sua luta interna falando que a culpa pela “doença” da filha era da esposa. E sim, muitos homens culpam suas parceiras. E como os médicos disseram pra ele pode haver uma disfunção genética em um dos pais ou ser apenas um acaso. Mas no final o que realmente importa é o carinho, o amor e o cuidado com a criança, o adolescente e o adulto, pois eles são seres humanos lindos!

Super recomendo a leitura desse HQ. Se eu chorei? Sim. Menos do que imaginei. A cena que me pegou foi quando ele foi dar banho em sua bebê pela segunda vez, na primeira ele desiste, e nesta parte a Julia está com um curativo, pois tinha acabado de voltar para casa após uma cirurgia para corrigir um problema no coração. Fabien retira o esparadrapo e tem uma lágrima em sua bebê, mas ela não reclamou. Neste momento ele começa a fazer carinho nela e Julia abre o maior sorriso. Enquanto escrevo choro novamente rs Vale muito a pena, li em apenas algumas horas. 



SERVIÇO:

Título:  Ce n’est pas toi que j’attendais
Autor:  Fabien Toulmé
Tradutor: Fernando Scheiber
ISBN: 978-85-8286-367-1
Assunto:  História em quadrinhos
Páginas: 272
Editora: Nemo
Nota: 5/5
Estante: Skoob


Sinopse: Como lidar com uma filha com deficiência? Nesta graphic novel autobiográfica, Fabien Toulmé fala com emoção, humor e humildade sobre um encontro inesperado de um pai com sua filha que possui Síndrome de Down. O casal enfrenta o nascimento de uma criança especial. É como uma tempestade inesperada, um furacão. Quando a menina nasce com a síndrome, até então não diagnosticada, a vida de Fabien desmorona. Indo da fúria à rejeição, da aceitação ao amor, o autor fala sobre a descoberta de como é ser diferente.